Canção do Cigano

Standard

Voice:  Alberto Ribeiro

Canção do Cigano

P´la raia de Espanha
Nas sombras da noite
Passava um cigano
No seu alazão

O vento brandia
Seu nórdico açoite
E as folhas rangiam
Caídas no chão

E já embrenhado
No Alto Alentejo
Nas sombras da noite,
Tingidas de breu

Nem mais uma praga,
Nem mais um desejo
Aos ecos distantes,
O pobre gemeu

Não há maior desengano
Nem vida que dê mais pena
Do que a vida de um cigano

Atravessar a fronteira
Para ser atravessado
Por uma bala certeira

E tudo porque o destino
Só fez dele um peregrino
Companheiro do luar
Um pobre judeu errante
Que não tem pátria
Nem lar

E o contrabandista
Temido e valente
Voltava de Espanha
No seu alazão

Um tiro certeiro
Um braço dormente
E um rasto de sangue
Marcado no chão

E já embrenhado
No Alto Alentejo
Nas sombras da noite
Tingidas de breu

Nem mais uma praga
Nem mais um desejo
Aos ecos distantes
O pobre gemeu….

About gypsylyrics

This blog is for everyone who loves Roma culture, music and dances. I'm not an expert, just an admirer who wants to share her passion. This blog wouldn't been possible without the Danza Duende project in my life. Thanks to my Gypsy Duende masters to teach me all I know.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s